"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Continua a luta contra um dos mais antigos inimigos do trabalhador

Por Jessé de Castro Moraes


O assédio moral é um dos inimigos mais antigos do trabalhador e está presente em qualquer tipo de empresa, seja pública ou privada. Em nossos 26 anos de história, é comum recebermos denúncias e ouvirmos relatos desse tipo de assédio de nossos associados e, até mesmo, de trabalhadores de outras categorias.

Por isso, o Sindicato dos Servidores Municipais de Osasco e Região (Sintrasp) destaca a importância da denúncia do assédio ao Sindicato e às autoridades visando, principalmente, a inibição da prática e a qualidade de vida dos trabalhadores de maneira geral.

Em primeiro lugar, o conceito de assédio moral deve ser esclarecido. Ele consiste na exposição constante, ou seja, repetidas e prolongadas vezes, dos trabalhadores a situações humilhantes durante o exercício de suas funções na jornada de trabalho. Na maioria dos casos, o assédio acontece entre pessoas de relações hierárquicas assimétricas, como o chefe e seu subordinado. No entanto, toda regra tem sua exceção e pode acontecer entre pessoas que ocupem o mesmo cargo.

O principal objetivo do assediador é desestabilizar a vítima e causar um pedido de demissão. Os motivos para a escolha de determinada vítima são inúmeros, mas suas características incomodam o agressor, como personalidades incompatíveis, melhor desempenho dentro da empresa, qualidades profissionais, entre muitas outras.

Para desestabilizar a vítima, o agressor a expõem a diversas situações constrangedoras, como impor metas inalcançáveis, ridicularizar o trabalhador na frente dos colegas, por exemplo. No entanto, infelizmente, os abalos causados por esse processo a que a vítima é exposta não a afeta apenas psicologicamente, mas fisicamente, causando doenças como depressão e ansiedade.

No serviço público, o assédio acontece como em todos os outros ambientes de trabalho. Porém, como as pessoas trabalham por muito tempo no mesmo órgão, os conflitos tendem a durar mais e piorarem com o tempo. Por isso, que a denúncia é sempre a melhor saída!

Para denunciar, junte provas de que o assédio está realmente acontecendo, busque apoio jurídico e relate as agressões à Ouvidoria ou setor de Recursos Humanos da empresa. As denúncias podem ser feitas no Sindicato; Centros de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST); Ministério do Trabalho e Emprego, caso seja celetista; e se você for servidor público, procure ajuda no setor de atendimento à saúde do Recursos Humanos e/ou no Ministério Público do Trabalho.

Em Osasco, podemos contar com a Lei nº 3959, de 2005, que dispõe sobre penalidades administrativas para a prática de assédio moral nas dependências de qualquer setor da Administração, ou seja, qualquer servidor está sujeito às penas de suspensão ou demissão caso seja o agressor.

Sendo assim, servidor, esteja atento às ações de seus colegas e, caso necessário, denuncie o assédio moral. Nossa luta contra esse inimigo do trabalhador deve continuar até que o mesmo seja inibido.


Fonte: Mundo Sindical

Nenhum comentário:

Postar um comentário