"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Você sabe distinguir bronca de assédio moral?

Há pouco tempo atrás, diversas circunstâncias e formas de tratamento caracterizadores do assédio moral eram simplesmente considerados como normais pelos assediados dentro do ambiente de trabalho. Parte das pessoas entendiam essas ações, vindas dos superiores, como repreensão do chefe, divergências ou diferenças de posicionamentos. Contudo, apesar do avançar dos anos, muitos trabalhadores convivem sem saber com o assédio, sofrendo diariamente com a situação. Mas e você, sabe diferenciar bronca de assédio moral?

O que caracteriza o assédio moral laboral é a conduta abusiva, por parte dos superiores ou de outros funcionários da empresa, atuando na natureza psicológica e atentando contra a dignidade psíquica do trabalhador. Normalmente, o ato é realizado de forma repetitiva e prolongado, expondo o empregado a situações humilhantes, constrangedoras e que desestabilizam psicologicamente o indivíduo.

Ou seja, o assédio moral é aquela ação que causa um dano emocional no trabalhador. Mas quem pensa que esse tipo de ato é caracterizado apenas por reclamações e repreensão, está muito enganado. O assédio advém também de ações como críticas em relação à capacidade profissional; comunicações incorretas ou incompletas quanto à forma de realização do serviço do empregado; isolamento da vítima de almoços, confraternizações ou atividades; exposição da vítima ao ridículo; alegação pelo agressor de que a vítima está paranoica, entre outros.

Já a bronca se difere do assédio no sentido que consiste apenas em um ato isolado, sem o intuito de ofender a dignidade psíquica do indivíduo, a fim de exigir mudanças no comportamento e ação do empregado. A repreensão é aleatória, caracteriza por um conflito momentâneo que nem sempre irá gerar dano moral a pessoa que sofre a ação.

Para que seja considerado assédio moral é necessário que haja repetição de atos, gestos, palavras, comportamentos ou isolamentos que podem parecer inofensivos. Agressões essas, que podem atingir a dignidade do indivíduo. Agora que você já sabe a diferença, não suporte mais esse tipo de ação. O Sindicato dos Administradores do Estado do Rio de Janeiro (Sinaerj) luta veemente contra o assédio no ambiente de trabalho e considera o ato, uma das formas mais cruéis de agir contra a integridade humana.

Por assim ser, caso algum Administrador esteja passando por tais situações em sua empresa, o Sinaerj recomenda que este busque o Sindicato através do telefone (21) 2262-3090, pelo e-mail: sinaerj@administradores.org.br ou diretamente na Sede Administrativa da Entidade, localizada na Avenida Treze de Maio, 13, 8º andar, Centro do Rio de Janeiro, para que medidas cabíveis possam ser tomadas.


Fonte: SINAERJ



Nenhum comentário:

Postar um comentário