"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Um total de 100 pessoas que foi vítima de discriminação e assédio moral recorreu a SRTE/CE

De janeiro a setembro deste ano, um total de 100 denúncias de discriminação e assédio moral chegou à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Ceará. 58% dos casos denunciados foram de mulheres


A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Ceará (SRTE/CE), através da Comissão Regional de Igualdade de Oportunidades de Gênero, Raça e Etnia, de Pessoas com Deficiências e Combate à discriminação, recebeu, de janeiro a setembro de 2014, denúncias de 100 trabalhadores vítimas de discriminação e assédio moral.
 
Um balanço feito pela SRTE/CE revela que 58% dos trabalhadores que procuram o serviço são do sexo feminino, muitas delas no período de gravidez. Além delas, o assédio moral é frequentemente praticado com os trabalhadores que são acometidos por algum tipo de doença ocupacional, que precisam ser afastados por licença médica. Durante todo o ano passado, 138 pessoas procuraram a Superintendência para denunciar. Delas, 44 eram homens e 93, mulheres.
 
Quanto à discriminação, os casos mais comuns são em decorrência do trabalhador ser soropositivo, por opção sexual e por questão de raça.
 
Entre as atividades econômicas que originam o maior número de denúncias, a maior incidência ocorre na área de serviços, com maior destaque nas empresas de telemarketing. Esse público atinge uma média de 43%, seguida das indústrias de confecções com 19%. Outros serviços que podem ser ressaltados, mas com menor índice de denúncias são aqueles ligados aos setores de saúde e de vigilância. Já o comércio abrange em torno de 24%, com maior relevância no setor farmacêutico e alimentício.
 
O assédio moral é a exposição dos trabalhadores a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, comuns em relações hierárquicas autoritárias. Dentre os casos que chegam à SRTE/CE, a principal causa relaciona-se ao fator “produtividade”. Segundo a Coordenadora de Combate à discriminação e ao assédio Moral, Eureni Lima, algumas empresas adotam metas muito altas, que exigem um esforço acima da capacidade dos trabalhadores. “Esses fatores originam doenças emocionais, que culminam com estados depressivos, colocando em risco a integridade pessoal e profissional do trabalhador, dificultando cada vez mais, a concretização dessas metas”, destaca.

Serviço
SRTE/Ce recebe denúncias de vítimas de assédio e discriminação no trabalho.
Dias: segunda a sexta, 
Horário: Das 8h às 12 horas e das 13h às 17 horas.
Na Seção de Políticas de Trabalho, Emprego e Renda que fica no 2º andar da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Ceará (rua 24 de maio, 178 - Centro). 
Informações: 3255 3955.

Nenhum comentário:

Postar um comentário