"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Instrumento contra assédio ganha agilidade


Bancos têm prazo menor para responder a denúncias feitas por meio do instrumento de prevenção de conflitos no local de trabalho, uma conquista da categoria. Assédio moral lidera reclamações


São Paulo – A Campanha Nacional Unificada 2013 reduziu o prazo, de 60 para 45 dias, para os bancos se posicionarem diante de denúncias feitas pelos trabalhadores ao Sindicato, por meio do instrumento de prevenção de conflitos no local de trabalho. Do total de reclamações em 2013, o maior número é relacionado ao assédio moral: 62%, segundo dados levantados pela entidade.

De acordo com a secretária-geral do Sindicato, Raquel Kacelnikas, “a conquista vem no bojo de uma grande vitória relacionada ao combate aos problemas no ambiente de trabalho, como o assédio moral”. A dirigente sindical destaca que a redução do prazo de resposta dos bancos é um avanço na luta da categoria, pois pressiona as instituições a constatar e a resolver problemas de forma mais rápida.

Conflitos – A cláusula que trata de prevenção de conflitos é uma conquista de 2010. A partir daquele ano, foram estabelecidos objetivos para promover práticas de respeito na construção de um ambiente de trabalho saudável. A adesão é voluntária, mas a maior parte dos bancos participa do acordo.

Segundo Kacelnikas, com a cláusula assinada, as instituições financeiras reconheceram a prática de assédio moral, mesmo que implicitamente. “Esse acordo, cuja adesão é grande, é um reconhecimento tácito feito pelos bancos de que o assédio moral é causado por eles e tem a ver com metas abusivas e inatingíveis”, diz. Para ela, “o acordo reforça a demonstração do INSS de que o adoecimento mental na categoria é causado pelas próprias empresas”.

Atrás do assédio moral, caracterizado pela recorrente exposição do trabalhador a situações constrangedoras e humilhantes, estão na lista de reclamações de 2013
problemas relacionados a condições de trabalho (15% das reclamações), aparelhos de ar-condicionado que não
funcionam (13%), descumprimentos de acordo coletivos (7%) e outros.


Atuação sindical – Ao receber denúncias sobre conflitos enfrentados no ambiente de trabalho, o Sindicato faz uma apuração da procedência da reclamação e toma as medidas que considera necessárias. Dependendo da situação, a entidade faz denúncia formal ao banco, que deve responder em 45 dias, ou então parte para uma ação mais imediata, como uma atividade na agência ou uma negociação direta.

Além do link do instrumento de combate ao assédio, os bancários podem fazer denúncias através do Fale Conosco, de telefone (3188-5200) ou diretamente para um dirigente sindical.

A secretária-geral da entidade explica que “todas as denúncias, quando procedentes, são cadastradas pelo Sindicato em um programa que centraliza e formaliza as reclamações, constituindo uma importante ferramenta de luta.”

Denuncie ao Sindicato – Para Kacelnikas, é importante que os trabalhadores façam a denúncia à sua entidade de classe. “O Sindicato é o canal de representação para que os trabalhadores defendam a si próprios e aos colegas. Qualquer outro instrumento oferecido pelos bancos deixa o trabalhador vulnerável. Só a unidade da categoria é capaz de dar proteção ao trabalhador.”


Mariana de Castro Alves



Fonte: Sindicato dos bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região

Nenhum comentário:

Postar um comentário