"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Servidores do Iases denunciam gerente por assédio moral

Segundo a denúncia, a gerente humilha e constrange os servidores. Corregedoria promete investigar o caso


Livia Francez

Os servidores do Instituto de Atendimento Socioeducativo lotados na Gerência de Inclusão Social, Abordagem Familiar e Comunitária (GISAFC) denunciaram ao Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos) que estão sofrendo assédio moral por parte da gerente de Inclusão Social, Abordagem Familiar e Comunitária, Maria das Graças Ferreira. 

De acordo com a denúncia, além dos constrangimentos e humilhações, os servidores também passam por vexames durante a execução do trabalho na frente de todos os colegas, sendo até expostas notícias de doenças e problemas familiares das pessoas.

Dentro dos exemplos de violência moral estão casos em que a gerente é autoritária, chamando toda a equipe de incompetente, e sempre usando de postura violenta e antiética. 

Em contato com a reportagem de Século Diário, os servidores afirmam que a gerente verbaliza diversas vezes que a equipe é "engessada" e difícil de trabalhar. “Na realidade a equipe somente se posiciona tecnicamente, mas na fala da gestora a equipe endurece por não permitir, em determinados momentos, que ela desenvolva seu perfil de trabalho autoritário. A gerente disse estar em adoecimento e culpa a equipe por isso. Essa acusação deixou todos os servidores constrangidos”, afirma um servidor que não quis se identificar.

Os servidores dizem, ainda, que a gerente expõe as fragilidades de saúde física, psíquica e emocional dos servidores, dizendo que alguns servidores “só faziam chorar” e que algumas atividades, como a reunião semanal de equipe, não são desenvolvidas porque os servidores vão a médicos demais. Segundo eles, a gerente chegou a proibir que os seus subordinados agendassem médicos e exames às quartas feiras – a não ser que fosse atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Por conta do assédio, os servidores procuraram a Corregedoria da autarquia para denunciar a postura que eles consideram abusiva e antiética. A Corregedoria realizou um despacho favorável à instauração de um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) contra a gerente, entretanto, o processo ainda não foi instaurado.

Além dos constrangimentos a servidores, a gerente também foi denunciada por exigir que se encerrem os atendimentos ao público – independente da gravidade do caso – quando ela ligar e quiser conversar com algum servidor, o que compromete o trabalho do setor que desenvolve atendimento a adolescentes egressos de medida socioeducativa de internação, com vários casos de vulnerabilidade social e risco de morte.

Diante das denúncias dos servidores, o Sindipúblicos enviou ofício à presidência do Iases informando os fatos narrados pelos servidores e pedindo a abertura de Processo Administrativo Disciplinar (PAD), nos termos da Lei Complementar (LC) 46/94. O sindicato, por meio do setor Jurídico, está analisando as medidas judiciais a serem adotadas em defesa dos direitos dos servidores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário