"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Relato 30 (Usado, abusado e ludibriado)


Em 2007 comecei a trabalhar em uma construtora em Fortaleza-CE. Desde então minha vida sofreu muitas mudanças.

Tenho sido prejudicado de diversas formas por meus antigos empregadores e tentarei expor a vocês um pouco dos meus tormentos e da forma como fui usado, humilhado e ludibriado em tantas situações que me fizeram por fim, pedir demissão do emprego.

Minhas funções eram inúmeras e variadas e passava por assistente, motorista, comprador, pagador, responsável pela folha de pagamento entre outras.

A forma de tratamento dada pela empresa aos funcionários demonstra o modo sem escrúpulos e respeito que iam desde a forma de alimentá-los com parcos R$4,00/dia, proibição de usar os banheiros da empresa, o não fornecimento de equipamentos de proteção adequados entre outros.

Os absurdos continuam ainda, com descontos às faltas dos empregados com atestado, apenas para dar a recarga de Passe Card com um valor menor. Muitas vezes eu fui representá-los no Sindicato dos Empregados da Construção Civil aqui em Fortaleza levando “faltas” que os mesmo não tinham, apenas para que não recebessem a participação nos lucros. Também acompanhei várias rescisões forjadas com os empregados para que recebessem o seguro desemprego, só que continuavam trabalhando e tinham que devolver o dinheiro da rescisão e ainda dar ao patrão o primeiro mês do seguro desemprego. Hoje percebo com mais clareza a forma como fui usado para cumprir os seus propósitos, inclusive tendo em meu nome contas de água de suas obras.

As irregularidades lá eram muitas, e iam desde o não cumprimento das férias conforme manda a lei, chegando alguns funcionários a trabalhar com mais de duas férias vencidas, pessoas que trabalhavam em uma empresa, mas mantinham a carteira assinada por outra, a falta de livro ou relógio de ponto nas obras chegando ao absurdo de terem seus pontos assinados pelo pessoal do escritório.

Quando iniciei neste trabalho eu era casado e possuía imóvel próprio na praia de Iracema. Hoje não tenho mais esposa nem apartamento, ambos perdidos por conta das desonestidades do meu empregador.

De certa foram comecei a “pagar para trabalhar”, visto que tive um carro locado em meu nome, na locadora do irmão do meu ex- patrão e sem o meu conhecimento (achei que estava assinando para retirar o carro para a empresa), visto que eu assinava documentos para eles e o carro era usado unicamente para fazer o trabalho da empresa. Todas as despesas do tal carro corriam por minha conta, como combustível, estacionamento, etc. Só tomei conhecimento da minha absurda “dívida” de R$7.000,00, quando comecei a ser veementemente cobrado pela locadora.

Posteriormente, confiando na promessa de que se eu pagasse as prestações de um carro novo, em vez do valor da locação, quando o carro fosse vendido, o valor pago por mim seria devolvido, foi feito então um leasing no nome da construtora de um FORD KA que era pago por mim com a ajuda da minha então esposa, para que eu tivesse a locomoção para as diversas funções do meu trabalho facilitado sem os custos da locação. Cheguei a pagar nove prestações, além do seguro total do carro, com a apólice no meu nome e no da minha esposa.

Ter uma dívida em meu nome que crescia a cada dia me fez vender meu apartamento por valor muito abaixo do mercado, para fugir do tormento de ser cobrado daquela forma. Na época, por segurança, pedi ao meu patrão, que guardasse os cheques pré-datados da venda do apartamento no cofre da empresa.

Pouco tempo depois, desgostoso com toda a situação vivida ali, pedi demissão. Foi então que solicitei a devolução dos meus cheques, mas o mesmo alegou que estes estavam guardados no seu apartamento já que “não confiava” em guardá-los no cofre da construtora, entretanto esta devolução nunca aconteceu,  e os cheques foram depositados na conta da construtora, obrigando-me a fazer um BO para tentar reavê-los.

Na tentativa de me amedrontar ele fez uma queixa crime de calunia e difamação na justiça comum. 

Não tenho nada a temer, pois todas as minhas denúncias contam com provas testemunhais e documentais, mas com isso não consigo mais arrumar emprego visto que o mesmo e seus funcionários só dão referências desfavoráveis a meu respeito.

Imagem Google
Atualmente já atravessei a quinta audiência na Justiça do Trabalho onde cobro todos os prejuízos sofridos.

A minha vida, mudou muito, já que em função de tudo que sofri, perdi minha casa, minha esposa e meu trabalho. Hoje estou com vários problemas de saúde como pressão alta, depressão e pânico, e ainda sofro humilhações onde vivo, visto que há quase dois anos não consigo mais nenhum trabalho e dependo de favores alheios.

Recebo constantes ameaças por telefonemas nominais e anônimos que já me fizeram mudar o numero de telefone por três vezes. Ainda assim me mantenho firme, não posso perder a confiança na Justiça do Trabalho, ainda que o meu advogado tenha solicitado a troca do profissional que deveria julgar o meu caso por julgamento tendencioso.

O que de fato sei, é que não posso duvidar da Justiça Divina, pois esta sim, até pode tardar, mas não falhará.

Hoje, a única certeza que tenho é a de que continuarei a denunciar tudo o que vivi e sofri, mesmo sabendo que o custo disso pode ser a minha própria vida. 

2 comentários:

  1. Boa Tarde, a cada dia me surpreendo com os absurdos que acontece nas empresas, as explorações e falta de humanidade desses empregadores Carrascos. Temos que confiar na Justiça de Deus e dos Homens também . Meu amigo, deve estar sendo difícil , mas é uma fase que vai acabar e você é o instrumento de Deus para exterminar esse abuso, com certeza quantas pessoas foram prejudicados por eles e com certeza esses assediadores serão cobrados e pagarão tudo o que fizeram com você e com os outros funcionários. Mas o tempo de Deus é diferente do nosso, por isso tenha um pouco de paciência, cuida da sua saúde , tente enxergar as coisas de outra forma, se não fosse a sua denúncia isso iria se estender e prejudicar muita gente.
    A família as vezes não entende mesmo, você não é o único que passou por isso eu mesma fui vítima de assédio e exploração e a família me julgou muito . Meu casamento acabou também, mas hoje vejo que é melhor ficar só do que mal acompanhada, ter alguém só nas horas boas é fácil.................... aquela frase "Na saúde e na doença, na alegria e na tristeza"......só de fachada!! esse discurso deve ser mudado.....
    Tenha um ótimo 2013 muita FÉ E SAÚDE PRA VOCÊ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato meu caro Anônimo,
      A vida de um assediado nunca é fácil, mas solidariedade é um dos grandes remédios para esta dor. Nem sempre a solidariedade vem de onde se espera, mas venha de onde vier, será sempre muito bem vinda.
      Gratos por seu comentário e solidariedade.
      Assediados

      Excluir