"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Grupo de Apoio aos Assediados - Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios e Similares de São Paulo e Região Postal de Sorocaba

Assédio Moral no trabalho

Assédio Moral No trabalho.

Breve Histórico

Assédio moral ou violência moral no trabalho não é um fenômeno novo. Pode-se dizer que ele é tão antigo quanto o trabalho. A novidade reside na intensificação, gravidade, amplitude e banalização do fenômeno e na abordagem que tenta estabelecer o nexo-causal com a organização do trabalho e tratá-lo como não inerente ao trabalho.

Definição

É a exposição dos trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias e assimétricas, em que predominam condutas negativas, relações desumanas e aéticas de longa duração, de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinado(s), desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho e a organização, forçando-o/a desistir do emprego.

Características

Caracteriza-se pela degradação deliberada das condições de trabalho em que prevalecem atitudes e condutas negativas dos chefes em relação a seus subordinados, constituindo uma experiência subjetiva que acarreta prejuízos práticos e emocionais para o trabalhador e a organização. A vítima escolhida é isolada do grupo sem explicações, passando a ser hostilizada, ridicularizada, inferiorizada, culpabilizada e desacreditada diante dos pares. Estes, por medo do desemprego e a vergonha de serem também humilhados associados ao estímulo constante à competitividade, rompem os laços afetivos com a vítima e, frequentemente, reproduzem e reatualizam ações e atos do agressor no ambiente de trabalho, instaurando o ’pacto da tolerância e do silêncio’ no coletivo, enquanto a vitima vai gradativamente se desestabilizando e fragilizando, ’perdendo’ sua autoestima.
Em resumo:  um ato isolado de humilhação não é assédio moral. Este pressupõe:
  • repetição sistemática
  • intencionalidade (Ex.: forçar o outro a abrir mão do emprego)
  • direcionalidade (Ex.: uma pessoa do grupo é escolhida como bode expiatório)
  • temporalidade (Ex.: durante a jornada, por dias e meses)
  • degradação deliberada das condições de trabalho

GRUPO DE APOIO AOS ASSEDIADOS DIA 26/10/2012.

O objetivo deste grupo é prestar assistência aos assediados, tanto no que tange à dor emocional sentida por eles, quanto à insegurança jurídica relativa às provas, e também fazer esclarecimentos do que de fato significa o assédio moral, dentre outros assuntos. O apoio é fundamental dentro e fora da empresa. Por isso TODOS temos que fazer parte dessa luta. Se você é testemunha de cena(s) de humilhação no trabalho supere seu medo, seja solidário com seu colega. Você poderá ser “a próxima vítima” e nesta hora o apoio dos seus colegas também será precioso. Não esqueça que o medo reforça o poder do agressor!
Local: Sede do Sindicato
Endereço: Rua Canuto do Val ,169, Santa Cecília.
Dia: 26/10/2012 – Horário: das 19:00 às 20:30 h
Para participar deste grupo, preencha aqui o formulário de inscrição.
Fonte: SINTECT-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário