"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


terça-feira, 18 de setembro de 2012

Justiça da PB condena Bradesco por assédio moral

Dependendo da produtividade, bancários eram chamados de "bambambam", "meiabocas" ou "tartarugas". Em outra denúncia, banco rejeitaria funcionário com CPF "restrito"


O juiz Carlos Hindemburg de Figueiredo, da 9ª Vara do Trabalho em João Pessoa (PB), condenou o banco Bradesco a pagar indenização de R$ 800 mil por danos morais coletivos pela prática de assédio moral, discriminação e demissões abusivas contra funcionários. A decisão, tomada no dia 9 de agosto e divulgada nesta quinta-feira, é fruto da ação civil pública do procurador Cláudio Cordeiro Queiroga Gadelha, que recebeu as denúncias da Vara do Trabalho de Santa Rita (PB). Ainda cabe recurso à instituição financeira. A assessoria de comunicação do Bradesco informou, em uma curta nota, que "o assunto está sub judice e o banco não comenta". Segundo o MPT, a empresa foi denunciada por adotar política de estímulo à produção considerada "agressiva e humilhante", com a divisão dos bancários em três grupos: o dos "bambambam", que produziam mais; o dos "meiabocas" e o das "tartarugas", prática considerada "dano à integridade emocional" dos funcionários. "A conduta ilícita ofende toda a coletividade", informou o procurador Gadelha. De acordo com a procuradoria, o inquérito civil que apurou o assédio moral apontou ainda que a "prática de metas" era reiterada, combinada com humilhações àqueles que não as alcançassem. "O comportamento do assediante não incomoda apenas o empregado atingido, mas todos que trabalham no mesmo ambiente, que se revela absolutamente conflitivo, altamente tenso e, por tudo isso, inadequado para todos", relatou Gadelha. Outra denúncia do MPT contra o Bradesco aponta que o banco não contrata trabalhadores que possuam o CPF "restrito", ou seja, com nome no cadastro do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e Serasa. Para o MPT, essa prática é "discriminatória, um abuso de direito e fere a Constituição Federal".

Fonte: Economia/Mercados

2 comentários:

  1. QUE MARAVILHA ESSA DECISÃO, E QUANTO AO SPC É UMA PRÁTICA CONSTANTE PRINCIPALMENTE EM SP, ELES ESTÃO USANDO ESSE METODO PARA DISPENSAR OS CANDIDATOS , JÁ ACONTECEU COMIGO, ATÉ POR TELEFONE QUANDO FUI ME CANDIDATAR EM SP.
    MAS PARA PROVAR É DIFICIL TAMBÉM. MAS A LEI TEM QUE SER MAIS RIGIDA COM ESSAS EMPRESAS NAO PODM FAZER ISSO SE A PESSOA ESTÁ DESEMPREGADA , NAO TEM DINHEIRO E AS CONTAS ATRASAM. ISSO É FATO. E NÃO CONSEGUEM EMPREGO PORQUE ESTAO SEM PAGAR AS CONTAS E INCLUIRAM NO SPC. QUER DIZER FICA DIFICIL ASSIM, TUDO PARA COMPLICAR A VIDA DAS PESSOAS. DEPOIS NO DESESPERO A PESSOA MATA ROUBA USA DROGA SE MATA, MATA O OUTRO E É ASSIM QUE ACONTECE NO MUNDO HOJE.
    ABRAÇOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanto mais assediadores condenados por seus atos insanos, mais felizes ficaremos. SEMPRE!!
      Assediados

      Excluir