"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Assediados Responde

Comentário Anônimo ao Post Relato 1


Também sou vítima de assédio moral, e o que me deixa mais indignada, é que mesmo os atos dos meus superiores, sendo caracterizados por abuso de poder e exposição do trabalhador a situações de frequentes humilhações e constrangimento, ao procurar ajuda jurídica, a advogada que consultei ainda me desanimou, me aconselhando a mudar minha postura diante da empresa e realmente ver o que eu quero, pois se eu levar isto adiante, a única coisa certa será a minha demissão, visto que dificilmente encontraríamos alguém para testemunhar, mesmo aqueles que frequentemente passem pelos mesmos problemas.

Resposta do Assediados

No assédio moral, quase tudo conspira contra o assediado.
Mas ainda bem que é “quase”. Ainda há esperança!
Um conselho básico que vale para todos. Em todas as empresas onde o assédio moral “corre solto”, você precisa garantir as suas provas. Não faça ameaças ou comentários com seus colegas ou chefes do tipo: “vou processar, ou vou procurar um advogado...”. Tenha convicção de tudo o que passa e do mal que isso causa a você. Compre uma agenda ou livro ata e escreva diariamente o que acontece. Descreva os fatos, anote o nome das pessoas que testemunharam o ocorrido (se existiram testemunhas), e não deixe de relatar os seus sentimentos diante de cada fato. Anote as mesmas coisas, se você presenciou comportamentos de assédio a algum colega.
Ou a advogada que você procurou era inexperiente, ou ela quis lhe dizer que sem provas não há o que ser feito. Será apenas a sua palavra contra a do assediador, e isso não basta. 
Tenha cuidado com o profissional que procura, conhecemos relato de profissional que ao que tudo indica, passou para o “outro lado”, deixando que o assediado perdesse prazos e consequentemente inviabilizando o processo.
Use sua inteligência a seu favor. Gravações de celular e filmagens são provas que podem ser usadas e são aceitas pela justiça, mesmo sem autorização judicial. Guarde todos os e-mails de colegas e da chefia que confirmam a sua denúncia. Pessoas que já saíram da empresa e por consequência, não estão com medo de perder o emprego, são testemunhas válidas. Não perca o contato com elas. Se mais pessoas comentam com você que estão passando a mesma coisa e elas são “confiáveis”, juntem-se e produzam provas, porque se as agressões não são dirigidas apenas a um, mas a um grupo, isso é assédio moral coletivo, e vocês podem entrar juntos com um processo.
Se você está sentindo algum efeito físico e emocional do assédio, procure um médico, procure um psicólogo, faça um acompanhamento para que você tenha um profissional que possa dar laudo da sua condição em relação ao assédio.
Procure um advogado de peso, em especial, algum que tenha familiaridade com o tema, ou até um grande escritório de advocacia especializado em assédio moral. Informe-se na sua cidade, e se necessário, procure em outro lugar.
Se desejar escreva-nos (assediados@gmail.com) relatando fatos e situações que tem vivido. Buscar forças em ambientes onde sabemos que somos compreendidos, ajuda a atravessas o momento.
O mais importante é não desanimar e fazer do seu sofrimento força para lutar.

“Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre”

Assediados

4 comentários:

  1. Prezada Leitora,

    Concordo plenamente com a orientação do blog Assediados.
    A questão probatória do assédio moral é de extrema dificuldade. O melhor a se fazer, é ter cautela e juntar provas. Documentos, vídeos, emails... Use o tempo a seu favor.
    Sou advogado e, de vez em quando, recomendo ao meu eventual cliente aguardar, mesmo quando ele(a) já foi demitido(a).
    Todo trabalhador tem 2 anos para ajuizar sua ação. E só é bom ajuizá-la quando há provas suficientes do assédio, inclusive testemunhas.
    Já tive casos excelentes, no aspecto técnico, que não tiveram êxito em primeira instância e, agora, estão sob recurso.
    Agora, recomendo muito cuidado com o aspecto psicológico e físico. Cuidado, a saúde não tem preço. Se a situação estiver crítica, vá ao setor de pessoal e peça para mudar de setor ou prepare-se para uma demissão. Mesmo que você tenha que pedí-la! Sua saúde vem em primeiro lugar.
    MUITO CUIDADO com as provocações de seus superiores! Não aceite nenhuma delas, pois isso pode ser uma tentativa de aplicação de uma justa causa.
    Você deve ser inteligente nessa situação de assédio. Assédio moral também é chamado de terrorismo psicológico. E só se combate o terrorismo com inteligência.
    Não entre em confronto direto com seus superiores, nem comente suas estratégias com os demais empregados. Boatos circulam com o vento e te prejudicarão, certamente.
    Seja como for, um advogado sério saberá te orientar precisamente.

    Atenciosamente,
    Gustavo Campos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sábias palavras Dr. Gustavo Campos.
      Bons advogados aliados a provas incontestáveis, são as melhores e maiores armas contra o assédio moral.
      Gratos por seu comentário, esperamos tê-lo sempre por aqui.
      Abraço
      Assediados

      Excluir
  2. Olá Colega,

    Não fique se lamentando tem que agir, se vc está ainda na empresa ótimo deve tentar obter as provas , começa a ir aos médicos, pegue atestados e tira xerox, passe e-mail aos amigos converse desabafe mesmo,mas tudo discretamente, enquantos eles acham que você é "trouxa" você usa isso seu favor, pra lidar com "chefes psicopatas"e consiga as provas.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Anônimo!
      O "X" da questão realmente é usar TUDO a seu favor.
      Chefes psicopatas precisam ser combatidos com argúcia e perspicácia.
      Gratos por seu comentário.
      Volte sempre!
      Assediados

      Excluir