"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


segunda-feira, 30 de julho de 2012

Funcionários da Energisa tem sido humilhados e assediados moralmente por alguns dos seus “chefes”

Há dois meses atrás, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas da Paraíba - Stiupb, fez uma forte denuncia a Procuradoria Regional do Trabalho (13ª Região em Patos) com relação a grande quantidade de Assédio Moral que está acontecendo na Energisa Paraíba e Borborema por parte das pessoas que exercem os cargos de chefias contra os seus subordinados, humilhando-os  e os ameaçando de suspensão e demissão.


A denuncia que levada a justiça e ainda a diretoria da empresa através Stiupb, é referente a uma atitude tomada por um dos coordenadores que trabalha no sertão, onde o mesmo fez uma reunião com diversos Eletricistas e ao mesmo tempo preparou e enviou um documento destinado aos demais encarregados, determinado que se algum funcionário for direcionado a efetuar um corte de energia em qualquer unidade consumidora cuja conta esteja atrasada e que se esse funcionário chegar a dar alguma chance ao consumidor a pagar a conta naquela data e deixar de efetuar o corte, ele será punido com uma suspensão ou demissão.


Com poucos dias depois das ameaças, a semente do mau que foi plantada por parte desse encarregado começou a surtir efeitos em toda Paraíba quando um trabalhador foi determinado a efetuar um corte de energia em uma certa unidade consumidora no sertão e naquele momento o cliente solicitou ao mesmo que lhe desse uma chance de pagar a conta atrasada, se comprometendo que no máximo em 20 minutos tudo estaria resolvido e o funcionário respondeu que infelizmente não podia fazer nada, devido está cumprindo ordens da empresa. Mesmo assim, o corte de energia não chegou a ser efetuado, devido o referido funcionário ter sido ameaçado de morte pelo consumidor.


Outro problema idêntico aconteceu há 15 dias atrás na cidade de Campina Grande, quando um outro funcionário foi determinado a efetuar um conte de energia em uma certa unidade consumidora, onde naquele momento também foi negado ao cliente a chance de efetuar o pagamento da sua conta em atraso. O corte foi efetuado, mas desta vez quem acabou pagando caro foi o funcionário que quando se preparava para se deslocar do local do trabalho  foi agredido fisicamente  com tapas e socos dentro do veiculo da própria empresa.


Outros tipos de denúncias também foram feitas por parte de alguns funcionários de diversos setores, alegando que continuam sendo explorados pelas chefias quando obrigam os seus subordinados a trabalharem nos finais de semana e feriados sem  terem o direito de receberem horas extras, exceto dos próprios encarregados que além de receberem altas gratificações pelas funções exercidas, também lhes são pagas grandes quantidades de horas extras.


Outra grave denúncia foi feita recentemente, quando um Leiturista que trabalha no sertão foi humilhado e assediado moralmente por sua chefia, onde o mesmo chegou a ser taxado de “LESO e INCOMPETENTE” dentro do próprio ambiente de trabalho e ainda na presença de diversos colegas. Inconformado com o ocorrido, o funcionário procurou a Delegacia de Policia Civil da sua cidade e fez a denuncia com a abertura de um Boletim de Ocorrência (BO) e em seguida, o mesmo se dirigiu até a sede do Stiupb (sindicato) em Patos, oficializou a denuncia e solicitou que todas as providências necessárias fossem tomadas com relação ao ocorrido, sendo que de imediato a referida entidade defensora dos trabalhares entrou em ação e através de um dos seus advogados fez a denuncia a Procuradoria Regional do Trabalho em Patos.


Segundo as informações do presidente do Stiupb Wilton Maia Velez, já foram feitas diversas denuncias escritas e verbais a diretoria da Energisa sobre esse tipo de Assédio Moral e nada foi resolvido, “No momento, a  Energisa é comparada com os Senhores de Engenho da época da escravidão, onde só são valorizadas as pessoas que vivem com a chibata na mão açoitando os seus escravos e arrecadando grandes benefícios em seu favor do patrão e é por esse motivo que não adianta mais tentarmos dialogar com os seus diretores, pois nem uma resposta é nos dada e daqui por diante, toda denuncia será direcionada diretamente a justiça e de uma coisa nós temos a certeza que a empresa só tomará alguma providência com relação a esse tipo de assunto quando os seus cofres forem abalados por indenizações”, finalizou Wilton Maia.

2 comentários:

  1. Parabéns pela iniciativa de criar um canal como este para as pessoas expressarem o que pensam e sentem com o assédio moral. Sou vítima em meu trabalho e estou passando pelo que acredito ser o pior momento até agora. Isto tem afetado minha relação em família inclusive. Mas gostaria de oferecer o site de meu projeto pedagógico o LetrasEEARtes, a fim de que ele se transforme também em uma tribuna para a explanação de especialistas nesse assunto. Se houver algum meio de nos indicar alguém com esse perfil é só nos enviar um e-mail: letraseeartes@gmail.com. Nosso site está no seguinte endereço: letraseeartes.com.br.
    Muito obrigado pela iniciativa de vocês e um grande abraço.
    Marcelo Menezes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Marcelo,
      Gratos por seu reconhecimento e comentários.
      Sentimos muito por tudo que você está passando, e bem sabemos como o assédio moral no trabalho tem poder para destruir não só o campo profissional como também o afetivo e de forma mais grave aos homens. Sugerimos que vasculhe o blog também nas postagens mais antigas, pois certamente encontrará posts muito bons e ricos em orientações.
      Faremos contato via e-mail.
      Um grande abraço
      Assediados

      Excluir