"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


segunda-feira, 9 de abril de 2012

SINDTIFES LANÇA CAMPANHA CONTRA ASSÉDIO MORAL


O Sindtifes-PA (Sindicato dos Trabalhadores das Instituições Federais de Ensino Superior do Estado do Pará) acaba de lançar uma Campanha Contra o Assédio Moral aos trabalhadores das universidades federais do Pará. Foram produzidos materiais que explicam para os trabalhadores o que é o assédio moral e qual a forma de combatê-lo, inclusive judicialmente, visto que a prática é um crime.

O assédio moral pode ser definido  como a exposição dos trabalhadores e trabalhadoras a situações humilhantes e constrangedoras, durante a jornada de trabalho e no exercício de suas funções, sendo mais comuns em relações hierárquicas autoritárias, que predominam condutas negativas, desestabilizando a relação da vítima com o ambiente de trabalho. O assédio moral não é um fenômeno novo. Porém, constata-se na atualidade sua intensificação e banalização.

O trabalhador assediado moralmente, padece com o comprometimento de sua dignidade e nas relações afetivas e sociais, ocasionando graves danos à saúde física e mental, que podem evoluir para a incapacidade laborativa, constituindo um risco invisível, porém concreto nas relações e condições de trabalho.

Como a vítima de assédio deve agir?

O primeiro passo é resistir, buscando desenvolver um comportamento afirmativo. Em seguida deve-se reunir evidências do assédio, como guardar bilhetes e documentos que comprovem a conduta do assediador. Conversar sempre com o agressor na presença de testemunhas é muito importante, assim como contactar instâncias administrativas superiores, que tenham responsabilidade sobre a saúde e bem estar dos trabalhadores. Buscar amparo juridíco no Sindtifes-Pa, para que haja um acompanhamento de profissionais qualificados. Será garantido o sigilo  da denúncia.

Vitória contra o Assédio Moral na UFPA!

Uma técnica de laboratório denunciou a gestão do Hospital Barros Barreto que a perseguiu dentro do seu local de trabalho. O Sindtifes-Pa acionou a justiça para reivindicar os direitos da trabalhadora.

No dia 17, do mês de janeiro, o Judiciário responsabilizou civilmente a UFPA por seus desmandos, por força do Artigo 37, Parágrafo 6°, da Constituição Federal. A sentença não deixa dúvida que a Servidora em questão foi vítima de assédio moral dentro da instituição na qual presta serviço, acarretando, com isso, sérios abalos à sua saúde física e emocional, tendo assim, a UFPA que arcar com indenização. Mais uma vitória do Sindtifes-Pa em defesa da categoria!

Combata o Assédio Moral em seu local de trabalho. Denuncie!

Confira o CARTAZ e o FOLDER da Campanha Contra o Assédio Moral do Sindtifes-PA.



P. S. Assediados
Iniciativas de combate ao assédio moral devem ser divulgadas e estimuladas

Nenhum comentário:

Postar um comentário