"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


quarta-feira, 7 de março de 2012

Sucesso na Carreira: Assédio no Trabalho

Rio - A lei prevê que para casos de marginalização no ambiente de trabalho seja fixada indenização por dano moral. O poder judiciário define assédio moral como “o atentado contra a dignidade humana”. Fala ainda da “situação em que uma pessoa, ou grupo de pessoas, exerce uma violência psicológica extrema, de forma sistemática, frequente e durante tempo prolongado sobre outra pessoa que se desestabiliza psicologicamente”.

PERGUNTA E RESPOSTA 

por Janaína Ferreira Alves

“Trabalho há dois anos em uma empresa e sofro perseguição do meu chefe. Ele é agressivo e me expõe com ameaças e humilhações na frente de outras pessoas. Essa pressão atrapalha meu rendimento . Como devo proceder nesse caso?”

Márcia, Catete  




Olá Márcia! A perseguição no trabalho não é uma situação rara. O que seu chefe vem fazendo caracteriza-se como assédio moral e nestes casos o empregador pode ser responsabilizado e sofrer ação trabalhista do empregado importunado por não fiscalizar a conduta de seus funcionários. 

Esse comportamento pode ocorrer não só entre chefes e subordinados, mas também entre colegas de trabalho. A pressão pode ter vários objetivos, entre eles o de forçar a demissão do assediado ou o seu pedido de transferência. 

Contudo, o assédio moral não pode ser confundido com outros conflitos eventuais do dia-a- dia. Cada firma tem suas características, inclusive nos problemas. Existe o disse-me-disse, a manipulação de opiniões, o estrelismo, a competição em lugar de cooperação e os problemas por falta de comunicação. 

Enfim, onde há pessoas convivendo, há problemas. E o chefe é o responsável pelos resultados da empresa, pelo gerenciamento de conflitos e pela manutenção de um clima favorável à produtividade no ambiente de trabalho. Portanto, se o problema perdura e está atrapalhando seus resultados, você precisa levá-lo ao conhecimento do setor de Recursos Humanos ou do superior do seu chefe. 

Se não estiver segura para tomar esta atitude, pense em mudar de emprego: demita seu chefe! Se a empresa permite esse tipo de situação é porque não é um bom lugar para se trabalhar.  


Janaina Ferreira coordenadora do Ibmec-RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário