"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

CGD condenada a pagar 25 mil euros por "assédio moral"

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou a Caixa Geral de Depósitos ao pagamento de uma indemnização de 25 mil euros a um trabalhador por assédio moral. O tribunal concluiu que o banco lesou "a sua dignidade profissional, a sua integridade moral e psíquica".
foto Paulo Spranger/Global Imagens
CGD condenada a pagar 25 mil euros por "assédio moral"

Em causa está um antigo trabalhador do Banco Nacional Ultramarino, que em 2011 passou a integrar os quadros da Caixa Geral de Depósitos (CGD), na sequência da fusão entre as duas entidades bancárias.

Na primeira instância, a Caixa foi absolvida, mas o trabalhador recorreu para a Relação, que, por acórdão a que a Lusa teve acesso esta sexta-feira, a condena ao pagamento de 25 mil euros por danos não patrimoniais.
Segundo a Relação, há "diversos aspectos" na conduta da CGD, através do superior hierárquico do queixoso, que provam que o trabalhador foi mesmo alvo de 'mobbing' (assédio moral).

O tribunal sublinha que esses aspetos, "apesar de não serem, quando analisados isoladamente, ilícitos, quando globalmente considerados, no seu conjunto e dado o seu prolongamento no tempo, são aptos a criar no trabalhador um desconforto e mal estar no trabalho que ferem a sua dignidade profissional, a sua integridade moral e psíquica".

Acabaram por "ter reflexos na sua prestação laboral, com a desmotivação que causaram e também na saúde, levando-o a entrar numa situação de acompanhamento psiquiátrico, a conselho da própria médica do trabalho" da CGD.

O tribunal aponta como exemplo o facto de, desde a fusão, o trabalhador ter sido identificado "como um caso especial, sem contudo se perceber porquê".

"Eventualmente por esse motivo, foi-lhe atribuído um horário diferente do que, em regra, é atribuído aos técnicos, com um menor grau de flexibilidade, apesar de não haver um controlo rigoroso no respetivo cumprimento e, na prática, frequentemente não ser cumprido, mas que, em todo o caso, era bastante para o fazer sentir-se discriminado relativamente aos demais técnicos", sublinha o acórdão.

Outro exemplo é a manutenção da responsabilidade do queixoso pelo reporte diário das situações devedoras de incumprimento, mesmo depois de o mesmo ter desenvolvido a aplicação informática que simplificou e agilizou essa tarefa, tornando-a suscetível de ser realizada por pessoa menos qualificada.

Acrescenta ainda o facto de ter sido obstada ao queixoso a participação no grupo de trabalho que estava a ser constituído para a informação "Bens e Garantias", apesar da luz verde dada pela directora da Direcção Geral de Risco.

O tribunal defende que, neste quadro, e tendo ainda em conta que desde 2002 o referido trabalhador não obteve qualquer promoção ou instrumento de ajustamento salarial, apesar da avaliação positiva do seu desempenho, "não é de estranhar" que o queixoso tivesse vivido uma fase de instabilidade emocional que, face à persistência da situação, se agravou".

A conselho da médica do trabalho, recorreu a acompanhamento psiquiátrico esteve na situação de baixa.

"Este circunstancialismo configura, na realidade, uma situação de assédio moral", reitera o tribunal.

Fonte: http://www.jn.pt/PaginaInicial/Seguranca/Interior.aspx?content_id=2283420&page=-1

3 comentários:

  1. Puxa! Pensei que só no Brasil as indenizações eram um incentivo ao assédio! Não. Lá também os valores não inibem a prática.

    Não tenho dúvidas de que enquanto as indenizações permanecerem economicamente vantajosas para as empresas, estas continuarão a assediar. O que representa 25 mil euros para uma empresa que quer se livrar de alguém? As penalidades deveriam ser proporcionais aos danos e ao patrimônio das empresas. Aí sim, elas investiriam em educação, prevenção e não teríamos uma enxurrada de gente sendo colocada na rua, depois de irrecuperavelmente adoecidas pelos maus-tratos.

    A aplicação da lei, como está, torna compensatório manter o assédio, em especial no Brasil que tem um justiça certamente lenta e duvidosamente justa.

    Veja-se a quantidade de pessoas que adoeceram no trabalho e foram dispensadas à força, quando já não suportavam o tranco.

    O empregado não precisa ter a liberdade para poder sair e mudar de empresa quando não aguente e sim a liberdade para para permanecer sem ser cercado pelos gestores e pela lei que legitima o assédio ao não punir eficazmente a prática.

    ResponderExcluir
  2. Os valores irrisórios pagos a título de "indenização" no Brasil são em média uns R$5.000,00. Raramente vejo um valor de R$ 30.000,00 ou mais. Com R$ 5000,00 não se paga nem os remédios que se tomam. Isto para não falar nas sequelas irrecuperáveis que a totalidade dos assediados levam por toda a vida.

    Estamos perpetuando o TRONCO, como se trabalhar tivesse de ser sofrido para ter valor.

    Assédio é tortura e como tal, um crime hediondo. Não é exclusivo da relação trabalhista. Deve ser julgado como crime contra a integridade da pessoa humana.
    Lugar de criminosos antissociais - assediadores- deve ser longe da vida social, na cadeia. E empresas que servem de campo de concentração devem ser fechadas quando se mostram incapazes de evitar a prática abominável - que não cabe aplicar nem mesmo a um animal, como tem sido comum vermos.

    As empresas (campos) de assediadores estão ensinando seus empregados a tratar os filhos e aos outros humanos e animais sem respeito algum pela pessoa humana.

    ResponderExcluir
  3. Concordamos plenamente com você.
    Enquanto as indenizações forem apenas "simbólicas", tudo não passará de um ligeiro desconforto. Apenas aquela pedrinha no sapato que você tira, sacode, e está tudo certo!
    Estávamos sentindo falta dos seus inteligentes comentários!
    Volte sempre!
    Assediados

    ResponderExcluir