"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Servidores Apontam Casos de Assédio Moral

Vários servidores públicos de Limeira se reuniram na Câmara Municipal, ontem, para discutir um tema polêmico: assédio moral. O encontro foi organizado pelo Sindsel (Sindicato dos Servidores Municipais de Limeira) e segundo a presidente da entidade, Eunice Lopes, o maior mérito foi reunir funcionários de todas as secretarias e autarquias. "A prefeitura se conscientizou da importância do tema e resolveu liberar os funcionários para o evento", contou Eunice.
O problema do assédio ainda existe no município - como comprovaram relatos de funcionários que lotaram o Plenário da Câmara. O guarda municipal Saezo Leite Belém disse ter sido vítima de perseguição de um subinspetor em 2006.
"Na Guarda Municipal, somos removidos para locais como o Horto Florestal ou o Zoológico como punição. No horto, o subinspetor ainda me acusou de dormir no serviço e de não zelar pela segurança do local. A três meses de receber a licença-prêmio, fui afastado e me prejudiquei", contou.
Ele diz que o superior ainda se vangloriou desta última punição. "Ele disse na minha cara que tinha conseguido o que queria". Belém ainda é guarda municipal, mas hoje atua como sindicalista no Sindsel. Ingressou com uma ação judicial de reparação de danos contra a prefeitura.
Outro caso relatado no encontro envolveu D.R.O., que era auxiliar administrativo da Câmara Municipal, mas teve as condições de trabalho alteradas após questionar uma ordem do superior. "Eu tinha mesa e computador. Controlava o almoxarifado. A partir de então, perdi o computador e fui obrigado a fazer tudo no papel. Um trabalho descomunal", apontou ele.

PALESTRA

O debate na Câmara trouxe o professor da Unicamp e escritor especializado em assédio moral Roberto Heloani, além da coordenadora da Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalho, vinculada à Comissão Estadual de Saúde, Irene Batista de Paula.
"Ofender, humilhar, julgar indevidamente, mudar de função sem oferecer preparo, alterar o local de trabalho sem aquiescência, desrespeitar condição especial de saúde, tudo isto é assédio moral", citou Irene. "Eventos como esse na Câmara de Limeira são importantes, pois informam e encorajam as denúncias", comentou sobre a participação maciça dos servidores.
Ela aponta o sindicato como um destes locais onde a denúncia deve ser feita. "Recebemos uma média de duas denúncias de assédio moral por semana. No passado, a frequêcia era maior. Acho que diminuiu devido à criação deste canal", diz.
Segundo ela, a prefeitura também tem revisto o conceito sobre o tema. Entre os avanços, Eunice citou a reversão da demissão da guarda municipal Silvana Arado, uma das líderes da greve que a corporação realizou em 2009. "O prefeito Silvio Félix prometeu enviar à Câmara Municipal nos próximos dias um projeto municipal que pune o assédio moral. Estamos aguardando", finalizou a sindicalista.

Câmara vai criar Ouvidoria

O presidente da Câmara Municipal, Raul Nilsen Filho (PMDB), anunciou a criação de um serviço de Ouvidoria para apurar denúncias de assédio moral na administração pública de Limeira. Além disso, uma linha de telefone será disponibilizada para receber reclamações.
Ao saber sobre a denúncia de assédio na Guarda Municipal, o secretário de Segurança Pública, Siddhartha Carneiro Leão, disse que a Corregedoria da corporação está aberta a qualquer tipo de reclamação. "É só ligar para o telefone 3441-7191, que será garantido sigilo e o andamento da denúncia", enfatizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário