"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Assédio Moral no Ambiente de Trabalho

É essencial para o bom andamento de qualquer empresa ter um ambiente de trabalho favorável, aonde colegas de trabalho mantenham um relacionamento profissional amigável e chefes e subordinados possuam um respeito mútuo. Mas nem sempre isso acontece, é comum ver chefes aos berros, na frente de todos, com algum funcionário que supostamente fez algo errado, e em alguns desses casos o funcionário pode propor uma ação judicial contra o seu chefe por assédio moral. Mas o que viria a ser assédio moral?
Segundo uma Cartilha elaborada pela Subcomissão de Gênero com participação da Comissão de Ética do Ministério do Trabalho e emprego, a definição para assédio moral é:
Ato cruel e desumano que caracteriza uma atitude violenta e sem ética nas relações de trabalho, praticada por um ou mais chefes contra subordinados. Trata-se da exposição de trabalhadoras e trabalhadores a situações vexatórias, constrangedoras e humilhantes durante o exercício de sua função. É o que chamamos de violência moral. Esses atos visam humilhar, desqualificar e desestabilizar emocionalmente a relação da vítima com a organização e o ambiente de trabalho, o que põe em risco a saúde, a própria vida da vítima e seu emprego.
Vale ressaltar que o assédio moral só acontece de um chefe para um subordinado, e nunca entre pessoas do mesmo nível hierárquico; o que na minha opinião está errado, pois se um colega de trabalho comete algum dos atos citados acima com alguém do mesmo nível(hierárquico) também deveria ser passível de uma ação judicial por este motivo.
Geralmente o agressor possui alguns objetivos para tais atos, como por exemplo:
  • Forçar a vítima a pedir demissão ou demitir por justa causa por insubordinação
  • Desestabilizar profissional e emocionalmente
As estratégias usadas pelo agresor para cometer tais atos geralmente são:
  • Escolher a vítima e o(a) isolar do grupo
  • Impedir que a vítima se expresse e não explicar o porquê
  • Ridicularizar, inferiorizar e menosprezar em seu local de trabalho
  • Destruir a vítima emocionalmente por meio de vigilância excessiva e constante
A vítima por sua vez deve procurar amigos, testemunhas e o sindicato para maiores ajudas sobre o que fazer e a forma correta de fazer.
Ter um chefe deste tipo na equipe pode gerar várias consequências negativas para a empresa, portanto, é sim, muito importante se atentar a esse assunto. Algumas consequências são:
  • Queda de produtividade e menor eficiência
  • Alteração na qualidade do serviço/produto e diminuição no índice de criatividade (quando aplicado)
  • Doenças profissionais, ligadas às doenças psicológicas, como depressão
  • Troca constante de empregados, por não suportarem um chefe com este perfil
  • Aumento de ações trabalhistas, inclusive com pedidos de reparação por danos morais
Portanto as empresas devem atentar-se a este tema pois o desempenho financeiro dela está totalmente ligado e dependente de um ambiente de trabalho saudável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário