"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre"

"Sofrimento é passageiro, desistir é para sempre" Lance Armstrong


sábado, 3 de setembro de 2011

Será que estou sendo assediado(a)?

Dificuldades no trabalho, correria para cumprir prazos, algum desentendimento com a chefia... quem nunca passou por isso?
Mas onde está o limite da 'normalidade' e do 'aceitável'?

  • Gritos
  • Reprovação reiterada do trabalho
  • Ridicularização de uma característica física
  • Ameaças de demissão
  • Ofensas
  • Sugestões humilhantes
  • Isolamento
  • Atribuir tarefas estranhas ou incompatíveis com o cargo ou em condições e prazos inexecutáveis
  • Deixar de repassar serviços ao trabalhador deixando-o propositalmente ocioso
  • Designar funcionários qualificados ou especializados para funções triviais
  • Apropriar-se de idéias, propostas, projetos ou trabalhos
  • Desprezar, ignorar ou humilhar o empregado, isolando-o de contato com colegas e superiores hierárquicos
  • Sonegar informações necessárias ao desempenho das funções ou relativas à sua vida funcional
  • Divulgar rumores e comentários maliciosos ou críticas reiteradas
  • Subestimar esforços
Com o assédio, toda a sociedade é prejudicada. O empregado sofre desequilíbrio de sua saúde física e mental, sendo necessário, muitas vezes, o afastamento para recebimento de benefício do INSS.  A empresa por sua vez, acaba tendo alta rotatividade de empregados, o que pode comprometer sua capacidade financeira ao ser condenada a pagar indenizações.
É necessário que as empresas que realmente possuem responsabilidade social, adotem políticas internas de combate ao assédio, por meio de ouvidorias internas e externas, treinamentos e fiscalização efetiva das relações laborais.

Não se deixe enganar. Mesmo que você esteja passando por alguma dificuldade pessoal ou problema de saúde, maus tratos são maus tratos, e isso não é aceitável.
Não aceite que façam com você, o que não aceitaria que fizessem com alguém que você ama.



Nenhum comentário:

Postar um comentário